Seção brasileira do Comitê por uma Internacional dos Trabalhadores

Seção brasileira do Comitê por uma Internacional dos Trabalhadores

Esclarecimento sobre as manifestações de 16 de dezembro Imprimir E-mail
Bloco de Resistência Socialista - Sindical e Popular, Coletivo Construção, Juntos, Rede Emancipa, RUA - Juventude Anticapitalista e Paulo Pasin - 10 de dezembro de 2015

Manifestações estão sendo convocadas para o dia 16 de dezembro em torno do eixo: "Contra o Impeachment e o Ajuste Fiscal! Fora Cunha!" Entre os organizadores da manifestação encontra-se a Frente Brasil Popular (que reúne entidades como a CUT, CTB, UNE, MST e partidos como o PT e PCdoB) e uma parte dos movimentos que constroem a Frente Povo Sem Medo, em particular, o MTST e a Intersindical.

Reconhecemos no MTST e na Intersindical movimentos sociais coerentes que seguem sem vacilar na luta contra a política econômica anti-popular do Governo Dilma. Porém, ao contrário do que foi divulgado nas páginas da CUT e da UNE na internet, nem todos os movimentos da Frente Povo Sem Medo concordaram em participar da organização dessas manifestações de 16 de dezembro. Esse é o caso dos signatários dessa Nota.

Diante disso, como a Frente Povo Sem Medo funciona pelo método da construção do consenso progressivo, a Frente em si não participa das manifestações ainda que parte de suas entidades e movimentos participem e ajudem a organizá-los. Esse foi o entendimento resultante da reunião realizada pela Secretaria Operativa Nacional da Frente Povo Sem Medo no dia 7 de dezembro em São Paulo.

Respeitamos a decisão dos setores da Frente Povo Sem Medo que pensam diferente ao mesmo tempo em que deixamos claro nosso posicionamento de não participar. Esse esclarecimento é necessário diante da confusão gerada por setores da mídia e do próprio movimento na divulgação dos Atos de 16 de dezembro.

Nosso posicionamento é claramente contrário ao processo de impeachment aberto no Congresso Nacional. Não reconhecemos qualquer legitimidade em Eduardo Cunha ou no Congresso para isso e sabemos que sua postura reflete apenas os interesses do grande capital em aprofundar o ajuste contra os trabalhadores e o povo. Não tergiversamos sobre isso, ao contrário de alguns posicionamentos políticos que apontam saídas sem base na realidade.

Mas, esse posicionamento não implica necessariamente na construção de Atos conjuntos com a Frente Brasil Popular que, a despeito de suas intenções declaradas, atua na perspectiva de apoio ao governo Dilma, um governo que ataca os trabalhadores com sua política de ajuste e retirada de direitos.

A Frente Povo Sem Medo, mesmo com toda sua pluralidade interna, representa em nosso entender outra perspectiva de luta. Seguiremos construindo a Frente Povo Sem Medo na luta contra o ajuste do governo Dilma e demais governos, contra a direita, pelo Fora Cunha e por uma saída à esquerda para a crise baseada nas lutas dos trabalhadores.

Assinam:

  • Bloco de Resistência Socialista – Sindical e Popular
  • Coletivo Construção
  • Juntos
  • Rede Emancipa
  • RUA - Juventude Anticapitalista
  • Paulo Pasin, metroviário - SP
 
Joomla 1.5 Templates by Joomlashack